sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Muros e grades: a violência urbana e a cultura do medo

Nas grandes cidades, estão sujeitos à violência os grupos em situação de pobreza e condições de exclusão social. O crescimento dessa violência, sobretudo na sua forma simbólica, está associado a um preconceito difundido pela cultura do medo. E é sob essa perspectiva que a música “Muros e grades” trata da questão da violência urbana no Brasil.

A música, composta por Humberto Gessinger e Augusto Licks, é ideal para discutir a temática em questão (importante para a Geografia e bem recorrente em questões de concursos e vestibulares).

A violência urbana é um fenômeno social (por tanto diferente das outras formas de violência) e tem ocorrido com o processo de modernização, sendo afetado pela incapacidade do Estado em exercer sua função de provedor de justiça e segurança.

Boa parte dos moradores das grandes cidades de todo o mundo, está dominada pelo medo. Os meios de comunicação exibem, mas não explicam as dinâmicas da violência, e as pessoas acabam associando-a a locais específicos e ao contato com grupos marginalizados.

A difusão do medo cria um clima social em que o sentimento de ameaça domina. Então, a sociedade é forçada a adotar medidas (muros e grades) para se proteger e permanecer em eterna vigilância. Entretanto, essas medidas apenas reproduzem o fenômeno da violência, isolando os cidadãos, aumentado a discriminação e fortalecendo o medo.

Isolando-nos, perdemos a força para mudar a nossa realidade e transformamos nosso dia-dia em uma realidade superficial e individual que ignora a realidade coletiva.

Combater a violência urbana envolve não só a ação policial ou assistencial, mas uma cooperação entre diversas áreas, tais como: educação, saúde pública, Justiça Criminal, cultura e condições econômicas.

Confira o que diz a música e reflita!


2 comentários:

Anônimo disse...

É preocupante hoje em salas de aula desde o comportamento dos alunos em relação aos professores e o perigos que correm dentro da sala de aula o que vemos nas notícias os acontecimentos em escolas públicas principalmente é muito constrangedor.

Samuel Alencar disse...

Violência existe em todo lugar. Educador interiorano; afirmo-lhes que, cidades típicas também sofrem com temperamentos tempestuosos.