Amigos e amigas do blog, desculpem a demora nas respostas para seus comentários, e pelo meu recente afastamento, não atualizando o mesmo com novos conteúdos. Estou cuidando da saúde dos meus pais. Meu pai já recebeu alta, mas minha mãe inda está internada em estado delicado, e passo muito tempo no hospital acompanhando a mesma, há dois meses, longe de redes sociais e eventualmente do meu trabalho também.

Peço a todos orações pela recuperação deles!

Um grande abraço!

terça-feira, 3 de julho de 2012

Batalha naval

Batalha naval é um jogo de tabuleiro no qual os dois jogadores têm de adivinhar em que quadrados estão os navios do oponente. Suas estratégias são muito úteis para o ensino de Geografia, uma vez que estão relacionadas com conceitos de dominação territorial e localização através de recursos cartográficos.

Soldados russos criaram o jogo durante a 1ª Guerra Mundial. Na versão original, dois adversários desenhavam, em folhas de papel, navios posicionados em um mar imaginário quadriculado. Ganhava quem descobrisse primeiro as coordenadas das embarcações do oponente.

O jogo original é jogado em duas grelhas para cada jogador: uma que representa a disposição dos barcos do jogador, e outra que representa a do oponente. As grelhas são tipicamente quadradas, estando identificadas na horizontal por números e na vertical por letras. Em cada grelha o jogador coloca os seus navios e regista os tiros do oponente.

Em 1931 a firma americana especializada na produção de brinquedos (Milton Bradley Company) colocou à venda o primeiro tabuleiro destinado à prática dessa modalidade de jogo de salão, o que continua sendo feito até hoje.

Durante a 2ª Guerra Mundial, em 1943, foi lançada a versão com o nome de Battleship (como ficou mais conhecido nos EUA). E em 1967, durante a Guerra Fria, veio a primeira versão de tabuleiro, com o formato clássico de maletas e navios de plástico encaixáveis (lançada no Brasil nos anos 80).



Abaixo um modelo para você imprimir e jogar:


Esconda suas embarcações distribuindo-as no tabuleiro, colocando-as no sentido horizontal ou vertical. Vence quem descobrir e afundar mais embarcações do adversário. Você também não poderá deixar que duas embarcações se toquem.

Suas embarcações são:

1 Porta-aviões
2 Encouraçados
3 Cruzadores
3 Hidroaviões
4 Submarinos

Após marcar em sua tabela todas as suas embarcações, fique atento às regras:

Cada jogador fará o seguinte em sua vez de atacar:

- Você tem 3 tiros. Para cada tiro escolha uma coordenada, ou seja, um número e uma letra. Não deixe de anotar no seu jogo as coordenadas para o seu controle.

- Para cada tiro o adversário informa se foi atingido ou se o tiro foi na água! Caso foi atingido deverá também informar qual foi a embarcação. Uma embarcação afunda quando todas as casas que formam esta embarcação forem atingidas.

Vence a batalha quem conseguir afundar todas as embarcações do adversário primeiro!

4 comentários:

Matheus disse...

Passando para conhecer o blog, muito bom!

Matheus disse...

Parabéns pela iniciativa e pelo trabalho!

Izabel disse...

OLá ! conhecendo seu blog.
Eu sempre utilizo o jogo de batalha naval com meus alunos do sexto ano.
Após a brincadeira original, mostro para eles que podemos jogar de outro modo. Ao invés de assinalar os quadradinhos marcaremos os encontros das linhas. Peço que marquem pontos no cruzamentos das linhas aleatoriamente. E aí lanço o conteúdo coordenadas geográficas. Em geral os meninos gostam muito.

Aguardo um comentário sobre o que escrevi e se já utilizou essa estratégia.

Abraços, Izabel Cardoso

Alexandre Gangorra disse...

Olá Izabel Cardoso!

Muito obrigado pelo compartilhamento de experiência e por conhecer o blog. Também já usei o "Batalha" de outro modo: sobrepondo as quadrículas em uma base com mapas (mapa múndi, por exemplo). alÉm dos veículos militares, trabalhamos também a questão territorial. Algo parecido com o jogo "War".

Desculpe a demora na resposta para seu comentários, e a todos que curtem as matérias do blog pelo meu recente afastamento do mesmo. Estou cuidando de minha mãe, internada em estado delicado, e passo muito tempo no hospital, há dois meses, longe de redes sociais e eventualmente do meu trabalho.

Peço a todos orações por ela!

Um grande abraço!